Após vencer o GP do Catar de Fórmula 1 no domingo e reduzir a vantagem de Max Verstappen no Mundial com a unidade de potência da Turquia, a Mercedes confirmou que trará de volta o poderoso motor usado por Lewis Hamilton no Brasil para a estreia da prova da Arábia Saudita, cujo circuito será muito dependente de potência.

O layout do circuito de Jeddah coloca a Mercedes como a favorita, já que a pista promete entregar a segunda maior média de velocidade do ano, atrás apenas de Monza, onde os motores alemães superaram os da Honda.

O motor que Hamilton usará em Jeddah é o que foi introduzido no GP de São Paulo. Com apenas uma corrida realizada, a equipe poderá colocá-lo em uma configuração de maior potência, já que restam apenas duas provas para o fim da temporada.

Andrew Shovlin, diretor de engenharia da Mercedes, disse que a expectativa é alta para o GP, especialmente por saber que Hamilton terá mais potência disponível.

“Vimos grandes variações de performance nas corridas recentes, mas se olharmos para a pista saudita, acho que ela é favorável a nós. Para Lewis, temos o motor mais potente para seu carro, então ele terá uma unidade útil”.

Toto Wolff concordou que Jeddah deve favorecer o carro de sua equipe, especialmente com a situação do motor.

“A Arábia deve ser uma pista boa para nós, mas sabemos que, neste ano, quando achamos que a situação é favorável, tudo pode virar. Mas são retas longas e teremos nosso melhor equipamento, o motor”.

“Com sorte teremos Valtteri lá em cima também, porque precisamos dele. Mas de qualquer jeito, se todos terminarem a corrida, a decisão fica para Abu Dhabi”.

Lewis Hamilton, Mercedes, 1st position, celebrates in Parc Ferme

Lewis Hamilton, Mercedes, 1st position, celebrates in Parc Ferme

Photo by: Steve Etherington / Motorsport Images

Shovlin explicou que a Mercedes optou por não usar esse motor no Catar porque os ganhos que obteriam não seriam tão grandes assim, devido à falta de retas em Losail.

“Temos dois motores para usar. Aqui tínhamos o menos potente dos dois, por causa da natureza do circuito. Então esse lado nos coloca em uma boa situação no momento”.

Mas apesar da confiança que vem do motor mais novo, Shovlin tem ciência de que a Mercedes não pode relaxar e esperar que o final de semana em Jeddah virá automaticamente para eles.

“A pista deve favorecer o carro, mas provavelmente falamos isso em Austin, que poderíamos montar um ajuste decente e lutar contra a Red Bull, e eles tiveram a vantagem lá. Então mantemos a cautela em não ir para uma corrida achando que tudo nos favorecerá”.

“O que sabemos são os ajustes que precisamos acertar, o que precisamos fazer com os pneus e como eles funcionarão. E é nisso que vamos focar nos próximos dias, garantindo que aproveitaremos todas as oportunidades possíveis para chegarmos em boa forma lá”.

“Com um novo circuito, chegar em boa forma é algo grande dentro da curva de aprendizado. Se você tem um bom carro do começo, o resto é só melhorias”.

Fonte: UOL
Foto: Motorsport