O recém-eleito deputado Johannes Kaiser, do ultradireitista Partido Republicano, gerou polêmica no Chile nesta terça-feira, ao questionar a conveniência de as mulheres poderem votar, e desencadeou uma onda de críticas.

Em conversa virtual que se espalhou pelas redes sociais, o deputado, que pertence ao mesmo partido que José Antonio Kast – o líder da extrema direita que disputará o segundo turno das eleições presidenciais – se perguntou se “foi uma boa ideia” permitir que as mulheres votem.

“As mulheres deixam de ir ao parque porque têm medo de imigrantes que podem estuprá-las, mas continuam votando nos mesmos partidos que trazem essas pessoas. Questionamos realmente se o direito ao voto (para as mulheres) foi uma boa ideia”, declarou.

As imagens viralizaram e repercutiram em peso na imprensa com críticas, inclusive da ministra das Mulheres, Monica Zalaquett.

“É inaceitável que o direito de voto das mulheres esteja sendo questionado. Viemos para a vida pública para ficar e vamos continuar trabalhando para que mais mulheres ocupem espaços de responsabilidade política”, disse a ministra.

A deputada comunista Karol Cariola afirmou que “Kast é um perigo para todas as mulheres” e que “ele e os seus apoiadores acreditam em um mundo com direitos apenas para os homens”.

“Eles não compreendem que temos uma palavra a dizer, que podemos usar anticoncepcionais, que temos o direito de decidir sobre os nossos corpos e que temos o direito de votar”, tuitou.

Kast respondeu assegurando que “é preciso ver em que momento saiu o vídeo e o seu contexto” e acrescentou que “claramente” não compartilha aquelas declarações.

“A coisa mais importante que devemos ter é a liberdade de voto e que as pessoas possam participar democraticamente. Ele terá de dar uma explicação”, afirmou.

Kaiser, que tomará posse em março e foi eleito no domingo passado com quase 12% dos votos em um distrito no centro de Santiago, disse à imprensa que havia “sarcasmo” nas suas declarações.

Em seu canal no Youtube, chamado “Nacional-Libertário”, ele critica ferozmente a esquerda e a migração irregular e até publicou um vídeo no qual enaltece o fuzilamento de prisioneiros no norte do Chile após o golpe de Estado de Augusto Pinochet, em 1973.

“Aquelas pessoas foram bem fuziladas”, declarou no vídeo.

 

Fonte: UOL
Foto: Reprodução