Com a campanha “Outubro Sempre Rosa”, o Hospital Materno-Infantil de Barcarena Dra. Anna Turan (HMIB), na Região de Integração Tocantins, reforça a importância da prevenção e atenção aos cuidados com a saúde da mulher. O principal objetivo é alertar para que a prevenção ao câncer de mama ocorra em todos os meses, como parte dos exames de rotina.

Neste ano, a unidade lançou ainda um e-book gratuito sobre câncer de mama, com informações sobre o panorama geral da doença no Brasil e em outros países, além de esclarecer as dúvidas mais frequentes. Para fazer o download, acesse: https://bit.ly/3mx5F0K.

Com a cobertura já abaixo da média, o rastreamento do câncer de mama no Brasil, por meio de mamografias, caiu ainda mais durante a pandemia de Covid-19. Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), houve queda de 70% na presença de mulheres nas unidades hospitalares após o início da pandemia.

No primeiro semestre de 2020, o número de exames de mamografia realizados na rede pública de saúde foi de 1,1 milhão, o que representa quase a metade do número registrado nos anos de 2018 e 2019, que totalizaram 2,1 milhões de exames. A redução chegou a 45%, de acordo com a Rede Brasileira de Pesquisa em Câncer de Mama.

Prevenção – Ana Carla Lima, mastologista e ginecologista do Hospital Materno-Infantil de Barcarena, unidade da rede pública estadual de saúde, ressaltou a importância das consultas regulares com um especialista e a realização de exames preventivos ao câncer de mama.

“É muito importante essas mulheres irem ao médico para cuidar da saúde mamária. Por meio de exames, como a mamografia, é possível investigar e descobrir precocemente as anomalias, para atuar no tratamento do câncer de mama”, informou.

A redução da procura por esse serviço, mesmo que as unidades de saúde mantenham o atendimento e a oferta de tratamento às mulheres, pode agravar os quadros clínicos e dificultar o combate à doença. “Com a possibilidade de aumento do tumor, um diagnóstico tardio pode reduzir muito as chances de cura, já que o início do tratamento é postergado também”, ressaltou a médica.

Informação – Anualmente, o HMIB promove campanhas de prevenção ao câncer de mama com palestras, grupos de apoio e mutirões, que contemplam municípios da região do Baixo Tocantins e arredores da Região Metropolitana de Belém. Além das ações realizadas na unidade, há também consultas e exames viabilizados pelo Sistema de Regulação (Sisreg) das Secretarias Municipais de Saúde.

Com o “Materno-Infantil de Barcarena”, mulheres da região têm uma referência em cuidado em saúde mais próxima, o que reduz o tempo de espera e facilita o acesso. Já foram oferecidos cerca de 5 mil exames pela unidade, entre mamografias, colposcopias, ultrassom de mama e biópsia.

Segundo a médica Ana Carla Lima, é preciso adotar um estilo de vida com práticas saudáveis, como atividades físicas durante a semana e alimentação mais equilibrada, evitando o excesso de gorduras e carboidratos simples, para minimizar os riscos da doença.

“Sedentarismo, consumo de álcool em excesso, noites mal dormidas, entre outros, contribuem para baixar a imunidade. Sobrepeso e obesidade, por exemplo, são fatores de risco. Alertamos sempre para o cuidado com o estilo de vida, porque quanto antes mudar maus hábitos, melhor”, explicou a especialista.

Certificação – Inaugurado em 2018, o Hospital Materno-Infantil de Barcarena realiza atendimento 100% pelo SUS (Sistema Único de Saúde). A unidade integra a rede pública de saúde do Governo do Pará, sendo gerenciada pela Pró-Saúde, por meio de contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Nos quase três anos de funcionamento, já realizou 4 mil partos e cerca de 165 mil atendimentos entre consultas, internações, exames e cirurgias. Recentemente, a unidade se tornou o primeiro hospital da Região do Baixo Tocantins a receber o título da Iniciativa Hospital Amigo da Criança (IHAC).

A certificação é concedida pelo Ministério da Saúde às instituições que cumprem os “Dez Passos” para o Sucesso do aleitamento materno, instituídos pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e ainda os critérios de habilitação estabelecidos pela Portaria nº 1.153/2014.

Fonte: Agência Pará
Foto: Marco Santos