A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) criou o Laboratório de Ensino de Matemática para oferecer aos profissionais da educação, na Escola Estadual Ruy Paranatinga Barata, localizada no Conjunto Paraíso dos Pássaros, no bairro da Maracangalha, em Belém, oficinas de formação continuada sobre a disciplina. A iniciativa é desenvolvida em parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio do Clube de Ciências, vinculado ao Instituto de Educação Matemática e Científica (IEMCI).

O projeto visa proporcionar aos professores da unidade cursos sobre Matemática, ministrados pelo Centro de Formação dos Profissionais da Educação Básica do Estado do Pará (Cefor). A proposta do laboratório é dar aos alunos a oportunidade de desenvolvimento do pensar matematicamente, por meio do processo de exploração e investigação da disciplina.

A professora do Clube de Ciência da UFPA e formadora do Cefor, Rosé Jucá, é uma das responsáveis pela introdução do laboratório na escola. “As atividades que serão desenvolvidas neste espaço irão proporcionar aos alunos uma aprendizagem significativa da disciplina. Por meio da resolução de problemas, os estudantes vão explorar e investigar conceitos e procedimentos matemáticos. Já para os professores, as oficinas oferecidas servirão para capacitá-los sobre a correta utilização dessa metodologia com seus alunos”, explicou.No Laboratório os professores entram em contato com o processo de exploração e investigação da disciplina

Modalidades – As atividades formativas para os profissionais da educação começaram em maio deste ano, realizadas, inicialmente, por meio do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AvaCefor). A partir de agosto, as capacitações começaram, gradativamente, nas modalidades presencial e semipresencial.

Os encontros são realizados duas vezes por semana, oferecendo aos professores debates sobre a produção de conteúdos para a disciplina e as metodologias de ensino. Também durante as oficinas, os docentes produzem materiais didáticos a partir da reutilização de embalagens, como garrafas, caixas de papelão, plásticos e outros objetos, contribuindo para o desenvolvimento de atitudes sustentáveis.

De acordo com o coordenador do Cefor, Augusto Paes, “é no diálogo constante com os pares e na imersão do espaço escolar que ocorre a riqueza da partilha do conhecimento e a valorização das práticas docentes, em prol de um grande objetivo em comum: a melhoria na aprendizagem dos alunos e, sobretudo, o envolvimento que esse tipo de experiência possibilita aos estudantes, docentes, coordenação pedagógica e à própria gestão da unidade escolar”, ressaltou o dirigente.

Segundo o professor de Educação Geral Fabiano Marques, que leciona na Escola Ruy Paranatinga Barata, “as formações são de grande importância no processo de ensino e aprendizagem dos educadores que, constantemente, precisam aprimorar seus conhecimentos, sua didática e metodologia de ensino para socializar em sala de aula com seus alunos. Além disso, esse processo alavanca o nosso currículo profissional com bons cursos e referência, o que respalda o profissional a exercer suas atividades com êxito em qualquer instituição”.

A instalação do Laboratório de Ensino da Matemática é uma parceria da Seduc com a Universidade Federal do Pará

Pioneirismo – A diretora da escola, Mariza Magno, ressaltou a importância do trabalho realizado no local, informando que a unidade de ensino é a primeira da rede pública estadual a ter um Laboratório de Ensino da Matemática. “Este é um trabalho que já tem nos trazido inúmeros benefícios no que diz respeito ao processo de formação continuada dos nossos professores e na importância do desenvolvimento do pensamento matemático significativo para os alunos, o qual se dará através da prática e das experimentações. Vale destacar que somos a primeira escola da rede estadual a ter um Laboratório de Ensino da Matemática”, frisou.

Em 2021, o Cefor ganhou destaque na utilização de uma plataforma própria para a realização dos cursos de formação continuada, o Ambiente Virtual de Aprendizagem (Avacefor). A ferramenta possui salas de aulas digitais e interação por meio de encontros virtuais com tutores, assim como fóruns, textos, vídeos e outros materiais de suporte pedagógico.

Fonte: Agência Pará
Foto: Divulgação