O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira (2) que provavelmente não será cumprida a meta de redução de desmatamento na Amazônia. Contudo, a queda abaixo do esperado representará um “caminho andado” na preservação da floresta.

Ao apresentar em julho a nova operação de Garantia de Lei e da Ordem (GLO) contra crimes ambientais na região, a Operação Samaúma, o vice declarou que desejava atingir até 12% de redução na taxa anual de desmatamento, calculada entre agosto de 2020 e julho de 2021.

Nesta segunda, ao ser questionado sobre o andamento da ação militar, Mourão declarou que a redução deve ficar na faixa de 4% a 5%. O vice preside o Conselho Nacional da Amazônia Legal.

“Fechou o ciclo, o ciclo fechou no dia 31 de julho, provavelmente não vou cumprir aquilo que eu achava que seria o nosso papel de chegar a 10% de redução. Acho que vai dar na faixa de 4% a 5%, uma redução muito pequena, muito irrisória, mas já é um caminho andado”, disse Mourão.

O vice tem apontado que apresentar bons resultados no combate ao desmatamento é fundamental para que outros países retomem o financiamento a ações de preservação, como o Fundo Amazônia.

No último ciclo aferido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), A área desmatada na Amazônia foi de 11.088 km² entre agosto de 2019 e julho de 2020, um aumento de 9,5% em relação ao período anterior (agosto de 2018 a julho de 2019), que registrou 10.129 km² de área desmatada.

O emprego de militares das Forças Armadas foi a principal aposta do governo do presidente Jair Bolsonaro para reduzir os índices de desmatamento e queimadas na Amazônia, cujas altas geraram críticas de ambientalistas, empresários, políticos, organizações não-governamentais e lideranças estrangeiras.

O operação Samaúma é a terceira do gênero na Amazônia. A primeira (Verde Brasil 1) foi feita entre agosto e outubro de 2019, e a segunda (Verde Brasil 2) ocorreu entre maio de 2020 e abril de 2021.

Após o término da segunda operação, os órgãos civis de fiscalização deveriam ter o protagonismo no combate ao desmatamento, porém o governo verificou que a estratégia não funcionou e decretou uma nova GLO.

 

Fonte: G1.com
Foto: Divulgação/Agência Pará